Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Impaciência Crónica

Crónicas quinzenais sobre temas diversos e profundos, mas mais pró leve.

Impaciência Crónica

Crónicas quinzenais sobre temas diversos e profundos, mas mais pró leve.

Carta aberta aos meus heróis

Tms, 01.02.24

Caros heróis (não vos irei mencionar pelo nome, para os outros não ficarem tristes),

Gostaria de começar por vos agradecer por todo o vosso trabalho até hoje, que tanta alegria e inspiração me tem trazido ao longo dos anos. Espero genuinamente que continuem por muitos mais!

Ouço atentamente cada palavra que proferem e ambiciono ser como vocês, mas só as partes que eu gosto, que as outras maçam-me um bocadinho. Isto de serem humanos, com defeitos, é meio "meh" para mim. Seria possível não serem assim (pergunta sincera)?

Eu compreendo que, hoje em dia, haja uma pressão social e, principalmente no vosso caso, profissional de criar muito conteúdo para a internet (conteúdo esse que aprecio bastante, na sua maioria) mas isso abre portas a algumas (pequenas) incongruências.

Um exemplo *coff--Ricardo Araújo Pereira--coff* é negar que as palavras possam causar dor. Podem não causar dor física, mas podem causar dor emocional. Parece-me apenas lógico concluir que: se as palavras, numa determinada ordem, podem provocar uma reacção involuntária chamada riso, também podem provocar outras reacções involuntárias mais desagradáveis. Aceitar essa lógica simples não significa que se esteja a assumir a intenção de magoar as pessoas, é só uma consequência possível.

Outro exemplo é de quem diz dizer aquilo que não se diz *coff--Bruno Nogueira--coff*, mas parece que ocupa parte desse espaço com parêntesis. Muito "Claro que com isto não quero dizer..." ou "Com isto não me estou a referir a...". O cumulo, para mim, é a edição (rara, felizmente) após a publicação. Uma story, que passado uma hora tem um texto ligeiramente diferente, ou até mesmo um episódio com uma secção removida, com uma desculpa de "O outro link deu merda". Um verdadeiro stalk--FÃ! eu queria escrever fã-- repara nessas coisas.

Percebo que isto sejam respostas ao público de hoje em dia, mais vocal e (penso ser o termo técnico) choninhas. A solução é simples: não se pode agradar a todos, por isso peço que se foquem apenas em agradar-me a mim.

Obrigado e

Vemo-nos por aqui.